Manchete

Suspeito de ser o Pavão, Carlos Bolsonaro usa Greenwald para unir base contra golpe de Mourão

Existe a suspeita de que o tal Pavão Misterioso, que bombou a teoria conspiratória seja Carlos Bolsonaro

Um turbilhão de mensagens tomou conta do país nos últimos dias. Quem tem tempo a perder acompanhou nas redes sociais a mais recente manifestação de sociopatia do bolsonarismo.

Resumo da mentirada: Glenn Greenwald e seu marido pagaram a Jean Wyllys para que abandonasse o mandato, permitindo a ascensão de David Miranda ao cargo de deputado federal.

Além disso, Greenwald teria pago a um hacker russo cerca de U$ 300 mil pela informação que agora dissemina no Intercept Brasil, ou seja, pelas mensagens trocadas entre o então juiz federal Sérgio Moro e os procuradores da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, notadamente Deltan Dallagnol.

Mentiras no estilo mamadeira de piroca e kit gay, disseminadas por robôs em altíssima velocidade.

O general Santos Cruz perdeu a queda de braço com Carlos Bolsonaro; fotomontagem Fórum

Existe a suspeita de que o tal Pavão Misterioso, que bombou a teoria conspiratória da extrema-direita, seja Carlos Bolsonaro — que cuidou das redes sociais do pai durante a campanha eleitoral de 2018 e aparentemente continua no controle delas.

O problema de Carlos não é apenas a denúncia do Intercept contra um dos pilares do governo de seu pai, Sérgio Moro.

O problema real parece ser a possibilidade de que tenha havido algum tipo de vazamento interno para enfraquecer Jair Bolsonaro e abrir caminho para seu vice, Hamilton Mourão.

Como especulou um internauta hoje: “Os militares já estão fora [do governo]. Perderam a queda de braço pro Aiatolavo e algum oficial de inteligência, a pedido do comando militar, divulgou o conluio golpista da lava-jato ao @TheInterceptBr. Mourão está nas coxias. Falta os meios sublinharem que o vazamento é crise interna”.

Trata-se apenas de uma hipótese: a de que Carlos Bolsonaro fez de Glenn Greenwald o “inimigo” de que precisa neste momento para consolidar a base do pai não apenas para salvar Moro, mas para mantê-la, a base, unida contra Mourão e aliados.

Greenwald é um “inimigo perfeito” do ponto-de-vista do bolsonarismo: gay e estrangeiro.

Um sinal de que a suspeição sobre Mourão ainda está em efervescência nos bastidores do governo foi o fato de que Carlos Bolsonaro não compareceu à homenagem prestada ao vice-presidente da República na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, justamente onde cumpre mandato!

Isso também fortalece a ideia de que Bolsonaro, o pai, aposta abertamente no quanto pior, melhor, em busca de uma saída autoritária que resulte em carta branca para seus principais ministros, Sérgio Moro e Paulo Guedes, derrotados diariamente no Congresso:

Carlos Bolsonaro deixa sessão antes de homenagem a Mourão

Alvo de ataques do filho de Bolsonaro, vice recebe medalha na Câmara Municipal do RJ

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

RIO – Sem a presença do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), de quem recebeu críticas e acusações pelas redes sociais, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, recebeu nesta segunda-feira, 17, a Medalha Pedro Ernesto, principal homenagem conferida pela Câmara Municipal do Rio a quem é de fora da cidade e se destaca de alguma forma na sociedade local.

Carlos chegou a apoiar a iniciativa de conceder a medalha a Mourão, em fevereiro, mas, nesta segunda, fez questão de deixar o prédio logo após a chegada do general.

Cercado de seguranças e sem dar entrevistas, Carlos saiu rapidamente da Câmara em direção ao carro que já o esperava do lado de fora.

Mourão chegou à Casa também sob um forte esquema de segurança. Não permitiu a presença de repórteres na cerimônia nem conversou com a imprensa no fim do evento.

Em um discurso de menos de dez minutos, o vice-presidente recordou a época em que morou no Rio “e saía com o dinheiro na sunga para jogar um futebol na praia”.

Nascido no Rio Grande do Sul, Mourão chegou ao Rio em 1958 e anos depois foi estudar no Colégio Militar, “para realizar um dos meus maiores sonhos, que era me tornar paraquedista”.

A homenagem ocorreu um dia após o vice receber o título de Cidadão Emérito de Porto Alegre.

Sem citar temas atuais do governo, o general se limitou a mandar uma mensagem de otimismo para a cidade, que enfrenta grave crise financeira e altos índices de violência.

“O Rio é a nossa capital cultural, e eu tenho certeza de que, com a melhora da situação do nosso país, o Rio irá ocupar o lugar que merece”, afirmou ele.

Desde que ajudou a aprovar a homenagem, em sessão realizada em 15 de fevereiro, muita coisa mudou na relação com Mourão.

O filho “02” do presidente da República entrou em guerra pelo Twitter com o vice, a quem acusou, entre outras coisas, de tentar assumir um lugar de protagonismo no governo e, assim, colocar em xeque a autoridade do presidente.

Após insinuações de que Mourão queria o lugar de Bolsonaro – na época, se recuperando em São Paulo de uma facada sofrida durante a campanha, em Juiz de Fora (MG) –, o confronto entre os dois se intensificou quando Mourão reagiu a críticas feitas pelo escritor Olavo de Carvalho, considerado “guru” da família Bolsonaro, aos militares.

Carlos chegou a disparar 17 mensagens em rede social com críticas ao general em um único dia.

Outro ataque contra Mourão teve como pretexto a decisão do vice de aceitar participar de uma palestra nos Estados Unidos, organizado pelo instituto Wilson Center.

À época, o texto do convite criticava o que a entidade via como paralisia do governo Bolsonaro, ao mesmo tempo em que elogiava o desempenho de Mourão.

“Se não visse não acreditaria que aceitou (o convite) com tais termos”, disse Carlos em uma publicação no Twitter no dia 23 de abril.

A crise social e econômica na Venezuela foi outro ponto de atrito entre os dois, depois que o vice fez comentários para que o País não se envolvesse a ponto de estimular uma guerra civil no vizinho.

Outra divergência ficou explícita, publicamente, quando o ex-deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) anunciou sua saída do Brasil, alegando ter recebido ameaças contra sua vida. Mourão afirmou que o País poderia protegê-lo.

“Nosso governo não tem política para perseguir minorias, esse não é o jeito que nós nos comportamos”, afirmou o vice à época.

Em reação, Carlos considerou a declaração uma demonstração de alinhamento do vice-presidente ao ex-parlamentar do PSOL. Wyllys mora agora na Europa.

Tags
Mostrar Mais

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Close
Pular para a barra de ferramentas