Internacional

China mata 90 mil prisioneiros por ano para doação de órgãos, diz tribunal

Parlamento britânico denuncia a extração forçada de órgãos sem anestesia

Estudos que acabaram de ser concluído e divulgado na última segunda-feira (17) em Londres, Inglaterra, por um tribunal internacional independente. Os levantamentos revelaram que a China está matando prisioneiros para retirar seus órgãos. A maioria das vítimas são detidas do movimento religioso chamado “Falun Gong”.

Algumas investigações sobre o envolvendo o tráfico internacional de órgãos humanos na China já havia sido denunciado e noticiado pelo site “Opinião Critica”. Mas agora o parlamento britânico denuncia a extração forçada de órgãos sem anestesia.

“chineses que estão presos por causa da maneira como buscam a Deus, ou adoram a Deus, e o governo chinês se sente ameaçado por isso. Então eles estão matando esses prisioneiros e estão colhendo seus órgãos internos para obter lucro”, disse Gary Bauer, membro da organização da Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional.

A China diz que parou de recolher os órgãos de prisioneiros executados há cerca de cinco anos, o governo afirmou ainda que as alegações estão sendo usadas para propaganda política contra o país comunista. Mas o tribunal da China sugere que a extração de órgãos ainda está acontecendo.

Em 26 de março desse ano, foi realizado um debate intitulado “Extração forçada de órgãos de pessoas vivas na China” na Câmara do Parlamento Britânico. Vários parlamentares de várias partes expressaram sua raiva e preocupação com os crimes de extração forçada de órgãos, organizada pelo Estado, na China.

Baseado em evidências, investigadores de direitos humanos e o Tribunal da China, concluiu de modo unânime, em dizer que “foi praticado a extração forçada de órgãos no país”.

De acordo com o site “The Guardian”, a denúncia contraria a posição oficial do governo chinês. Os trabalhos do tribunal foram iniciados pela Coalizão Internacional para acabar com o abuso de transplantes e seus membros, entre eles especialistas em medicina.

O tribunal ouviu relatos de extração de rins de prisioneiros executados desde os anos 1970. A maioria das evidências, no entanto, veio de 2000 em diante. Os relatos dão conta de que os presos ligados a minorias são submetidos a constantes exames médicos e de saúde.

Cerca de 90 mil cirurgias de transplante são realizadas anualmente na China, segundo o tribunal. Até o momento a alta cúpula chinesa não se pronunciou sobre as denuncias.

Tags
Mostrar Mais

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Close
Pular para a barra de ferramentas