Piauí

Prima de Rejane Dias é um dos alvos da Operação Satélite da Polícia Federal no Piauí

PF diz que foram desviados cerca de R$ 50 milhões de reais com laranjas

A Polícia Federal em parceria com a Controladoria-Geral da União deflagrou na última quarta-feira (25), a Operação Satélite, um desdobramento da Operação Topique, que investiga crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, entre outros, por gestores públicos da Seduc-PI e por empresários.

Os policiais cumpriram 19 mandados de busca e apreensão, sendo 18 em Teresina – no Palácio de Karnak e na Secretaria da Infraestrutura do Estado do Piauí (Seinfra) – e um em Luís Correia.

Pauliana Ribeiro Amorim prima da primeira-dama e ex-secretária de Educação, Rejane Dias, é um dos alvos da operação, assim como o tenente-coronel Ronald, hoje lotado no gabinete militar no Palácio de Karnak.

Comemorou promoção para Tenente-Coronel em 2016

Em comemoração no Iate Clube de Teresina, na data de 21 de Abril de 2016, o recém promovido, Tenente Coronel da Polícia Militar Ronald agradeceu sua promoção realizada no Dia de Tiradentes.

“Graças a Deus e com a ajuda do Governador Wellington Dias e da deputada Rejane Dias, fui alçado ao cargo de Tenente Coronel da Polícia Militar. Já passei por todos os postos da Polícia Militar, faltando apenas o último posto que é o de Coronel. Eu acredito que essa é uma grande vitória, minha, da minha família e dos meus amigos e sei como isso é importante para todos.”

Resultado de imagem para pf procura coronel ronaldo em teresina

Natural de São João do Piauí, mesma cidade de sua prima, Pauliana foi superintendente de Educação no governo de Wellington Dias (PT) e só saiu do cargo quando Rejane assumiu a Seduc e Helder Jacobina foi para seu lugar.

Em 2017, Pauliana foi exonerada da Seduc e abrigada na Seinfra.

Prima de Rejane Dias é um dos alvos da Operação Satélite

Um dia depois de ser deflagrada a Operação Topique, em 2018, o site Código do Poder divulgou que Pauliana Ribeiro Amorim era sócia de uma empresa com capital social de R$ 2 milhões. A atividade principal seria de hotelaria.

Ela chegou a informar por meio de nota que não existia uma empresa de fato, apenas um número de CNPJ. Também informou à época que já havia solicitado à Receita Federal seu cancelamento, mas isso não aconteceu até hoje.

O Governo do Estado se pronunciou por meio de nota, informando que sempre agiu de forma colaborativa. Leia a íntegra da nota:

NOTA OPERAÇÃO PF

A respeito da operação da Polícia Federal deflagrada nesta manhã (25), o Governo do Estado informa que não há investigação contra o Estado. O processo investiga empresas e servidores, a quem cabe o legítimo direito de defesa.

O Estado é parte interessada no processo e sempre agiu de forma colaborativa, fornecendo todos os documentos, dados e informações solicitadas. Nada do que foi entregue na operação deixaria de ser entregue bastando comparecer e requisitar.

Mais uma vez lamentamos o caminho do espetáculo. A operação de busca e apreensão realizada pela polícia no interior de repartições públicas que não são objeto da investigação, com cobertura midiática ao vivo, atenta contra o Estado de Direito, pilar da Constituição Federal, podendo caracterizar claro abuso de autoridade.

O Governo do Estado reafirma seu compromisso com a transparência e continuará repassando documentos e informações solicitadas e, mais que qualquer outro, tem interesse na elucidação dos fatos, porém com respeito à lei.

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Close
Close