EsporteManchete

Promotor do GP do Brasil detona cancelamento da prova: “Raciocínio que não podemos aceitar”

F1 confirmou formalmente que não haverá eventos nas Américas este ano

Nesta sexta-feira, a F1 confirmou formalmente que não haverá eventos nas Américas este ano, com os GPs do Brasil, México, EUA e Canadá agora oficialmente cancelados.

Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-19, leads Kimi Raikkonen, Alfa Romeo Racing C38, Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-19, and Antonio Giovinazzi, Alfa Romeo Racing C38© Mark Sutton / Motorsport Images Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-19, leads Kimi Raikkonen, Alfa Romeo Racing C38, Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-19, and Antonio Giovinazzi, Alfa Romeo Racing C38, Tamas Rohonyi contestou os motivos da Fórmula 1 ter cancelado evento em Interlagos e sugeriu que a decisão colocou sua organização e a cidade de São Paulo em uma posição difícil.

No entanto, o promotor do GP brasileiro, Tamas Rohonyi, que está envolvido com o evento há 40 anos, diz que queria que a corrida acontecesse, e ficou sabendo de sua não realização por meio de uma carta da F1.

Interlagos vem tendo um relacionamento difícil com a F1 na era da Liberty Media. Os novos proprietários descobriram, após adquirir os direitos comerciais da categoria, que o contrato em andamento, celebrado por Bernie Ecclestone, significava que o evento brasileiro não pagaria nenhuma taxa entre 2018 e 2020, após a retirada de um subsídio pago anteriormente pela Rede Globo. Esse acordo termina este ano.

Chase Carey, por sua vez, tem vontade de sair de Interlagos e tem buscado um futuro local alternativo, em um autódromo ainda a ser construído no Rio de Janeiro.

Rohonyi diz que a corrida de 2020 só poderia ser interrompida por força maior, e ele acredita que os motivos dados pela F1 não se enquadram no projeto, alegando que a taxa de infecção na região de São Paulo não é tão ruim quanto em outros países.

“Antes de tudo, esse cancelamento não nos pegou de surpresa, mas devo dizer que a justificativa, o raciocínio por trás disso, não podemos aceitar”, disse ele ao Motorsport.com.

“Eles falam sobre a taxa de infecção do coronavírus no Brasil, que é um pouco como comparar a Califórnia e a Flórida em um país como o Brasil, que tem dimensões continentais.”

“Temos todos os números para o estado e a cidade de São Paulo. Esses dados foram enviados à Comissão Médica da FIA por nosso próprio médico, que é, aliás, é seu vice-presidente. E são figuras muito boas.”

“De fato, se você olhar para os números de São Paulo, mesmo do Brasil, em uma base proporcional, em comparação à Inglaterra, é muito melhor.”

“Então, quando você lê este aviso de cancelamento que recebemos da FOM, ele simplesmente não se sustenta. É claramente uma espécie de raciocínio quase inventado para cancelar a corrida.”

Rohonyi diz estar confiante de que Interlagos poderia ter realizado um evento seguro.

“Eles poderiam não só consultar a minha empresa, mas o governo da cidade, pedindo para apresentar um plano, e eles teriam recebido um plano 100% à prova de balas, que existe, tanto que o circuito de Interlagos está aberto para corridas desde a semana passada.”

Rohonyi também acredita que os pontos de vista das equipes não desempenham um papel legal: “O que eu achei realmente estranho é que toda a abordagem é meio simplista. ‘Oh, é uma pandemia, lamentamos muito, não queremos ir, não podemos ir’.”

“Uma das razões apresentadas é que cinco equipes expressaram preocupação. Bem, nenhum dos contratos da F1 diz que vamos correr no seu país, se as equipes quiserem.”

“Os acordos de promotores de F1 têm apenas uma cláusula que permitiria a qualquer uma das duas partes rescindir o contrato, e nada disso é de força maior.”

“Estamos recebendo aconselhamento jurídico, porque há enormes perdas ao município e na minha empresa.”

Rohonyi diz que o cancelamento criou uma perda para a cidade e acrescenta que poderia haver implicações legais porque o dinheiro público foi gasto na melhoria do local para um evento que não ocorrerá.

“No meu caso específico, e acho que é muito, muito parecido na Cidade do México, corremos em um circuito municipal. E, de acordo com o contrato que tenho com eles, o município é responsável por manter os padrões de F1.”

“Só neste ano eles gastaram US$ 8 milhões na atualização do circuito. Toda a área do paddock foi coberta e muitas coisas que as pessoas não veem, mas que são muito essenciais, foram feitas, como instalações sanitárias.”

“Como você gasta verba pública com o que quer que seja, se a justificativa não for sólida, você pode ser processado pelo promotor público, pois isso é uma violação de suas obrigações oficiais.”

“Então o governo me disse: ‘Companheiro, você tem um contrato a cumprir. Então é melhor você correr’. Eu correrei se puder, mas se não tiver permissão para correr porque a F1 afirma que não podemos correr, não é minha culpa.”

Quando solicitado para comentar sobre as alegações de Rohonyi, um porta-voz da F1 referenciou o comunicado de imprensa de sexta-feira sobre as mudanças no calendário, que declararam que as corridas nas Américas foram canceladas “devido à natureza fluida da pandemia de Covid-19, às restrições locais e à importância de manter as comunidades em segurança.”

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close