BrasilManchete

Cármen Lúcia dá 48 horas para Banco Central explicar nota de R$ 200

A ministra do STF Cármen Lúcia deu 48 horas para que o presidente do Banco Central preste informações sobre a criação da nota

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia deu 48 horas para que o presidente do Banco Central preste informações sobre a criação da nota de R$ 200. O despacho da ministra é desta 2ª feira (24.ago.2020) e o andamento do processo pode ser acompanhado neste link. A abertura de prazo para manifestação é 1 procedimento de praxe.

© Reprodução/STF
A decisão de Cármen Lúcia atende, em parte, a 1 pedido dos partidos Podemos, Rede e PSB. As siglas e 10 organizações anticorrupção afirmam que a criação da nova cédula favorece atividades ilícitas, como corrupção, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, ocultação e evasão de divisas.

Segundo o grupo, o crime prefere as notas de maior valor. “[A nova cédula facilita] o armazenamento e o transporte de recursos obtidos ilegalmente e dificultando a rastreabilidade das respectivas transações”, argumentam as instituições.
A criação da nova cédula foi anunciada pelo Banco Central em 29 de julho com a estimativa de que estaria em circulação até o fim de agosto. Desde então, notas falsas já circularam no Rio de Janeiro. Além disso, internautas sugeriram outros animais para estampar a cédula em vez do escolhido, o lobo-guará.

O Banco Central publicou os principais motivos para a criação da cédula no mesmo dia em que os 3 partidos entraram com a ADPF (Ação por Descumprimento de Preceito Fundamental) contra a nova nota. Segundo a autoridade monetária, não há correlação com a inflação do país e nem risco de potencializar falsificações.

O Banco afirma que o lançamento da cédula é uma precaução diante da demanda maior por dinheiro em espécie. O número de notas aumentou durante a pandemia.

© Reprodução/Banco Central

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close